Magazine Efemérides

MAGAZINE

Efemérides do dia 26 de novembro



É publicado o primeiro número do jornal desportivo Record

A 26 de novembro de 1949, surge o primeiro número do jornal diário desportivo Record.

Começou por ser publicado apenas aos sábados.

A 3 de fevereiro de 1953, passou a bissemanal, com uma edição também à terça-feira.

Passou a trissemanário em 18 de abril de 1972 e finalmente a diário, a 1 de março de 1995.

A sua propriedade é atualmente detida pela editora portuguesa Cofina.

A versão online do jornal foi lançada a 20 de abril de 1999.

De acordo com a Marktest, é líder da imprensa desportiva em Portugal, com 731 mil leitores/dia.

Ouro e diamantes no valor de 45 milhões de dólares são roubados no Aeroporto de Heathrow, em Londres

A 26 de novembro de 1983, um comando constituído por meia-dúzia de elementos consegue subtrair de um depósito de alta segurança do Aeroporto de Heathrow, em Londres, 6800 lingotes de ouro e um punhado de diamantes no valor global de 45 milhões de dólares.

Fonte: Diário Popular n.º 14237, de 29-11-1983, ano 42º, p. 11

Este roubo converte numa «brincadeira de crianças» o maior furto até então realizado na Grã-Bretanha, o célebre assalto ao comboio-correio, ocorrido vinte anos antes, que rendeu apenas 10% do valor deste golpe.

Tomada de posse do XXI Governo Constitucional de Portugal

A 26 de novembro de 2015, toma posse o XXI Governo Constitucional, chefiado por António Costa, do Partido Socialista.

O Partido Social Democrata havia obtido, nesse ano, nas eleições para a Assembleia da República, uma maioria relativa, o que levou Cavaco Silva a pedir àquele partido que formasse governo, não obstante ser notório que aquela formação política, mesmo coligada com o Centro Democrático Social, não obteria a maioria parlamentar necessária para ver aprovado o Orçamento Público, condição essencial para se manter em funções.

Os partidos de esquerda, que estavam em maioria na Assembleia da República, já haviam dito que não iriam aprovar o Orçamento do XX Governo, pelo que este cai ao fim 12 dias. Cavaco Silva, na altura já em fim de mandato como Presidente da República, foi obrigado a solicitar ao secretário-geral do PS, partido que ficou em segundo lugar, a formação de governo, uma vez que este afirmava ter o apoio parlamentar do Partido Comunista Português, Bloco de Esquerda e do Partido Ecologista Os Verdes, o que originaria uma maioria parlamentar.

Nos discursos da tomada de posse, Cavaco afirma que os acordos à esquerda não dissipam “totalmente” as suas dúvidas quanto à "solução governativa alternativa" que o PS lhe apresentou. Por seu lado, Costa insiste que a formação desta “maioria estável” assegura um “suporte parlamentar duradouro a um Governo coerente".